30 de mai de 2010

Pac Man da Google


Para comemorar os 30 anos de um dos games mais famoso de todos os tempos, a gigante Google disponibilizou, recentemente, um avatar do game na página de busca. O que alguns não sabiam é que o avatar da Google era jogável. Basta clicar no botão "Insert Coin" ao lado direito do botão de busca. E pronto. Alguns momentos de descontração e diversão dentro do site de busca da Google.

O problema é que muitos que procuram o site de busca estão a trabalho ou a estudo e talvez essa jogada da Google possa ter prejudicado um tempo que era, na verdade, reservado a algum trabalho produtivo. É claro, uma pessoa que entrou e jogou deve ter gastado uns 10 minutinhos pra se divertir. Mas junte essa pessoa e mais milhões e milhões de pessoas que acessaram e jogaram Pac Man.

De acordo com estudo da RescueTime, a substituição da logo do buscador pelo game, custou nada menos que 4,8 milhões de horas que foram gastas com a brincadeira ao invés de serem investidas em alguma atividade produtiva.

A RescueTime tomou um base de aproximadamente 504,7 milhões de visitantes únicos em um dia do buscador e considerou que 75% das pessoas que viram o cenário do Pac-Man no lugar da logo não perceberam que o doodle era jogável.

Embora muitos tenham criticado a jogada da Goggle, outros não acham que isso possa ter sido trágico. Afinal, lazer é fundamental para a produtividade.

Devido ao sucesso da ação, o Google decidiu manter o jogo por tempo indeterminado, no link www.google.com/pacman.

O que um simples doodle na Google não faz, né...

Fonte: info.com (com adaptações)

26 de mai de 2010

Filme: Sherlock Holmes

Sherlock Holmes, com certeza, foi e sempre será o maior detetive de todos os tempos (claro, na ficção). "Sir" Arthur Conan Doyle teve a inspiração de não apenas ter criado a lenda do personagem, mas também histórias criativas e envolventes com o personagem.

A versão atual para o cinema do clássico "Sherlock Holmes" tem recebido muitas críticas (como todas as outras versões adaptadas de livros e HQs), por ter criado um Holmes mais atlético e menos cabeça. Aliás, outro ponto criticado do filme é a personalidade de Holmes, que deu a impressão de um personagem alienado e "tapado". Acho que foi essa a intenção do diretor do filme em mudar o conceito tradicional dos livros.

Mas, na minha opinião, o filme não chega a ser ruim não, entretanto, o expectador deve esquecer o estilo tradicional de Holmes dos livros para não ficar fazendo comparações. E é claro, adaptações em filmes nunca serão a mesma coisa com relação aos originais. Uma coisa que aprendi, depois de tantas versões adaptadas criadas, é que temos que "deletar" a expectativa da versão original para não nos decepcionarmos. Mas, fã que é fã, dificilmente conseguirá deixar de comparar as versões, por isso temos as críticas... e muitas vezes, destruidoras.

Enfim, o filme tem conotação boa sim com uma história convincente, caso não o compare com o original. Vale sim uma conferida.

19 de mai de 2010

O mundo é relativo

Analisando os mapas abaixo, qual ou quais você julgaria incorretas?







Se você indicou qualquer uma dessas, está redondamente enganado. As duas últimas fotos também estão corretas. Mas, por que nós (brasileiros, americanos e europeus) só vemos a posição da 1a foto? E por que a gente sempre estudou, desde a época do ensino fundamental, o mapa mundi da primeira foto somente?

Muita coisa está em jogo. Uma das causas seria a influência europeia desde à época A.C., onde colocaria o "velho continente" como o centro do mundo. Daí, a Europa estar sempre no meio do desenho do mapa mundi. Como a Terra gira em torno de si mesma baseada nos eixos dos Polos Norte e Sul, tivemos uma ideia fixa do mapa mundi mostrada nos exemplos acima, mas nada impede que poderíamos mostrar o mapa da seguinte forma:



Se os canadenses quisessem, poderiam colocar o Canadá como centro do mapa. Afinal, é apenas questão de posição. O paradigma que todos nós ainda temos e insistimos de que os Estados Unidos estão "em cima" e o México "embaixo", por exemplo, é digamos, equivocado. Afinal, qual é o conceito de "em cima" e "embaixo" em relação à posição global? Claro, pelas regras já criadas e impostas em lei mundial, A Europa fica ao norte e a África fica ao sul, assim como Brasil ao leste e Peru ao oeste, dentro do mapa mundi padrão. Mas não estaria errado dizer que o Brasil fica ao norte e os Estados Unidos ao sul, em relação aos 2 últimos mapas mostrados acima. É tudo questão de ponto de vista. Mas claro, não podemos nos "liberar" de padrões pois senão viraria uma confusão tremenda, especialmente para informações de tráfego aéreo. Para isso que fora criado os pontos latitudinais e longetudinais para fixar uma localização padrão que serve ao planeta inteiro.

Na verdade, este post é mais geek do que informação propriamente dita. Mas vale uma pequena reflexão a respeito. ^^

OBS1: No 2o. mapa, os japoneses mostram o Japão como centro do mundo e eles colocam sempre dessa forma em seus noticiários e mídias, como na previsão do tempo mundial. Nas escolas também ensinam o mapa mundi sempre na referida posição.

OBS2: Achei um texto interessante que pode complementar esse assunto. Link [aqui].

17 de mai de 2010

João Pessoa (PB) – Parte 2

A capital da Paraíba, com uma população estimada em 700.000 habitantes, possui belíssimas praias, como a Praia de Tambaú e a Praia de Cabo Branco (citada no post anterior), além de pontos turísticos incríveis. Sendo a 3ª. Cidade mais antiga do Brasil, João Pessoa encanta também pela sua vegetação, que por sinal, é a cidade mais verde do Brasil. Com exceção da ilha de Fernando de Noronha, é em João Pessoa que fica o ponto mais oriental das Américas, a Ponta do Seixas. É onde o sol se levanta mais cedo. No Farol de Cabo Branco, é possível ter uma visão panorâmica de toda a costa de João Pessoa.


Ponta do Seixas

Ao entardecer, na Praia do Jacaré, é possível assistir ao pôr do sol ouvindo o Bolero de Ravel. Todas as tardes, o saxofonista, que foi registrado no Guiness Book, toca em uma canoa, enquanto as pessoas apreciam ao entardecer num cenário deslumbrante de vegetação e rio.


Pôr do Sol na Praia do Jacaré

As comidas típicas nordestinas também não podem ser deixadas em branco como a tapioca, macaxeira, cuzcuz e as frutas típicas, como mangaba, cupuaçu e graviola. Aliás, a tapioca de João Pessoa se destaca pelo tamanho. E ouvi dos colegas nordestinos que a Tapioca de João Pessoa é maior que a de outras cidades nordestinas.


Casas históricas e igrejas seculares compõem um importante sítio histórico do país que recebeu o título de patrimômio histórico e cultural do Brasil, reconhecido pelo IPHAN e Ministério da Cultura, como a Igreja de São Francisco com arquitetura barroca e arte sacra. Uma curiosidade é que João Pessoa já recebeu vários nomes antes como Cidade de Nossa Senhora das Neves, Frederikstadt e Paraíba, até chegar ao atual.


Casas Históricas


Centro Cultural de São Francisco

Enfim, é uma cidade que não pode deixar de ser visitada ao passar pelo Nordeste Brasileiro. Vale a pena a visita.

12 de mai de 2010

João Pessoa (PB) - Parte 1

Durante esta semana (até 15/05), estarei aqui em João Pessoa (PB) por causa de um curso da Escola Superior de Redes (da RNP), conveniada com a Universidade Federal da Paraíba (UFPB), em parceria com a Universidade Federal do Paraná (UFPR). Mas não irei postar sobre o curso, e sim, sobre minhas impressões de João Pessoa, aproveitando minha estadia por aqui. (OBS: Estou bem no meio do intervalo da hora do almoço do curso, escrevendo este post...)


Aeroporto Internacional Presidente Castro Pinto

Como minha prioridade é o curso, possivelmente, não conseguirei fazer um tour pela cidade, mas nesse meio tempo, consegui visitar alguns lugares... como o aeroporto de João Pessoa, que na verdade, não fica em João Pessoa, mas em Bayeux, a 8 km de J.P..

"Oxente", estou hospedado numa pousada, famosa por aqui: a Pousada do Caju, que tem 6 unidades, mais um restaurante e um "rent a car". Na que fiquei é a mais simples, barata e sem muito conforto, mas não deixa de ter os itens básicos de um hotel.


Pousada do Caju - Unidade 2

Apesar do curso ser o dia inteiro, pude, pelo menos, no domingo a tarde quando cheguei, conhecer a Praia de Tambaú e a Praia de Cabo Branco, caminhando na orla marítima. E a calçada até que estava limpa, sem muita sujeira. As palmeiras daqui são frutíferas, isto é, dão côco aos montes, o ano inteiro.

Imagine, saí de Curitiba a 10o C para chegar ao Nordeste a 28oC. Para os paraibanos, 18oC já é frio. Lembro que ar condicionado é indispensável, pelo menos para quem é sulista, como eu. Há bastante quiosques de tijolos e madeira, o que significa que são propriedades definitivas (creio eu). A cada 20 metros, há um.

Minha impressão sobre os paraibanos: são pacatos e simpáticos. Não tem o estresse de uma cidade grande do Sul e do Sudeste; aliás, caminhando na orla às 8h da noite, ainda há muito movimento nas calçadas, mesmo durante a semana; imagine no fim de semana... A sorte é que agora é baixa temporada e não há muito turista.

Durante o dia, meu tour está sendo dentro do Campus da UFPB. Não é muito grande, se comparar com outras Universidades, mas ela é bem arborizada. Os corredores são, na maioria, ao ar livre, como marquises. Não notei muita gente na UFPB, suponho, então, que o número de docentes e alunos não é muito e o R.U. daqui é só para os alunos. Professores e funcionários almoçam nos quiosques dentro da UFPB, como no meu caso. (Não vale, na UFPR posso almoçar no R.U.)

Bom, por enquanto, meu itinerário tem sido assim, só a noite que tento andar mais um pouco na orla, para conhecer os quiosques e restaurantes da região. Talvez terminando o curso, posso ter algum tempinho para conhecer melhor a cidade. Aí penso na "Parte 2" do post. Se não, pelo menos, já valeu muito a pena ter conhecido João Pessoa (e consequentemente, o Nordeste).


Praias: Tambaú e Cabo Branco

5 de mai de 2010

Verdade ou Mito? Água no Micro-ondas

Esses dias, recebi uma corrente de e-mail alertando sobre o perigo de esquentar um copo ou uma tigela com água num forno de micro-ondas. Segundo o e-mail, houve relatos de acidentes envolvendo tal ato, onde, por exemplo, "um filho de uma amiga de uma conhecida nossa" sofreu queimaduras no rosto e nos olhos após ter esquentado um copo com água num forno de micro-ondas e em seguida ter colocado uma colher nela. A água, de repente, saltou para fora do copo, espirrando bem no rosto dessa criança. A criança foi levada ao hospital e a pele do rosto ficou manchada e um dos olhos ficou ferido a ponto de ter deixado praticamente cego.

Não cheguei a fazer essa experiência, pois sempre esquento a água no fogão ou na cafeteira elétrica para um cafezinho. Mas andei verificando no google (pra variar) sobre o tema. Alguns dizem que isso é "lenda" e não tem sentido, porém a maioria das informações fala que esquentar água no micro-ondas realmente faz a água "explodir", dependendo da potência do micro-ondas e do recipiente. Deixei a palavra entre aspas, porque não é a mesma definição de explosão de uma bomba, e sim, um escape da água de forma meio abrupta.

Agora, sobre o conteúdo do e-mail, digamos que seja "meia-verdade", pois, segundo fontes confiáveis baseados no Ministério da Saúde, não houve registros de acidentes envolvendo queimaduras graves com água esquentada no micro-ondas. Essa "corrente" de e-mail está, obviamente, em tom exagerado. Acho que os autores dessa corrente queriam chamar atenção do perigo, inventando um caso desse "filho de uma amiga de uma conhecida", entretanto, pelos conhecimentos da Física, há sim possibilidade de vazamento abrupto da água no recipiente, após contato nela.

Quando utilizamos o fogão para aquecer a água, geralmente utilizamos panelas com superfícies de alta rugosidade, comparadas com os recipientes que utilizamos no forno de microondas. As imperfeições da panela e as impurezas que ali se encontram ajudam na formação de bolhas de vapor quando a água atinge sua temperatura de ebulição, 100 oC. Já nos recipientes utilizados no forno de microondas essas imperfeições são geralmente menores (copo de vidro, por exemplo), diminuindo também as impurezas. Assim a formação de bolhas de vapor pode ser adiada.

Outro fator é que no forno de microondas o recipiente (geralmente de vidro) não esquenta tanto como a água. O calor é transmitido por condução da água para o recipiente, assim, a água pode ficar com uma temperatura maior no centro e menor nas regiões próximas do recipiente o que também pode dificultar o aparecimento das bolhas, que deveriam se formar nessa região.

A formação de bolhas de vapor é adiada por estes fatores, onde pode chegar a temperaturas superiores a do seu ponto de ebulição, e não evaporar. Logo, quando for colocado algum objeto (colher, por exemplo) ou alguma substância (café, açúcar) na superfície da água as bolhas de vapor vão surgir repentinamente, aumentando rapidamente o volume e liberando a energia acumulada, fazendo a água "explodir".

Mas, como não fiz o experimento, fica ainda minha dúvida sobre o caso, porém, tendenciando mais para o lado verdade. Se alguém aí já fez tal experiência, relate-a para nós aqui.

Abaixo, encontrei dois vídeos científicos mostrando esses procedimentos.






Referência: Google, efeitojoule.com, quatrocantos.com, mais.uol.com.br