30 de jul de 2010

Robôs de Segurança e de Informação


Embora nos últimos anos a segurança no Japão tenha melhorado em termos estatísticos, a chamada "sensação de segurança", que é o que as pessoas realmente sentem, parece ter piorado. A necessidade de atividades de segurança está aumentando e diversificando-se.

Em novembro de 2006, a empresa "Sohgo Keibi Hosho" (Sohgo Security Services Co. Ltd.) anunciou um novo sistema de presença permanente de segurança, chamado "Reborg-Q", no qual o robô de guarda e o de vigia trabalham em cooperação. O Reborg-Q é um robô para serviços de segurança permanente que opera em estabelecimentos comerciais e em edifícios de escritórios. O robô se encarrega de trabalhos repetitivos, seu ponto forte, e o vigia dedica-se a funções que apenas o ser humano realiza ou que necessitam de decisão. Este sistema visa elevar o nível de segurança através da cooperação entre o homem e o robô.


O robô de segurança faz a patrulha conforme as informações da rota antecipadamente definida. É equipado com câmeras de vigilância e sensores e se forem detectadas anomalias, o alarme será enviado por meio de LAN sem fio, para o equipamento de monitoramento de vigilância. O vigia, recebendo o aviso enviado pelo robô, verificará a situação do local em torno do robô através das imagens da câmera. O robô também pode realizar patrulhas automáticas em andares do prédio pelo elevador. E, quando terminar as patrulhas, ele automaticamente volta ao dispositivo de carregamento da bateria e faz recarga.Ademais, executa, ainda, várias funções:

1 - Função de extinção de incêndio - Ao detectar um incêndio, extingue-o por controle remoto.
2 - Função de intimidação - Se tiver suspeitas, emite um alerta, através de luz, mensagem de voz ou alarme sonoro entre outros.
3 - Função de informação - É uma função com recursos como videofone, que, se for apertado um botão no ombro do robô, é possível falar diretamente com o vigia. Além disso, através da manipulação do painel de toque, os visitantes podem conhecer livremente as informações sobre interior do estabelecimento.
4 - Função de fala - Oferece informações na linguagem previamente imputada. Pode suportar múltiplos idiomas, inclusive inglês e chinês (além do japonês, obviamente). Também ele pode falar livremente o idioma pela função de síntese de voz.
5 - Função de reconhecimento facial - Realiza reconhecimento de visitantes ou de determinadas pessoas consideradas perigosas, e é capaz de monitorá-los. O reconhecimento pode ser de pessoas previamente registradas, e possibilita emitir alerta aos vigias.


Atualmente, conforme as necessidades da sociedade em diversificação, estão sendo criados robôs com as tecnologias desenvolvidas, como os robôs especializados em informação e recepção em empresas. Ademais, a tecnologia robótica continua se desenvolvendo para que os robôs executem seus trabalhos de forma segura, certa e precisa na sociedade sem causar danos às pessoas.

É a tecnologia fazendo a interação entre máquinas e seres humanos.

Fonte: www.alsok.co.jp

24 de jul de 2010

Filme: Surpresa em Dobro


Filme da Walt Disney, estrelado por John Travolta e Robbin Willians, "Surpresa em Dobro" é uma piada forçada e sem graça, além de até insultar os japoneses em uma certa visão. Explico abaixo:

O filme mostra a estória de dois amigos inseparáveis desde a época do colégio e agora são sócios há cerca de 30 anos, prestes a fechar um acordo gigantesco com uma empresa japonesa, que pode colocá-los ao sucesso empresarial a nível mundial. Porém o personagem de Robbin casou-se de modo impulsivo e em seguida se divorciou, mas teve gêmeos que só agora, depois de uns 9 anos, aparecem na vida dele para que possa cuidá-los depois que a mãe das crianças teve que ser presa por atividades eco-radicais.

Enfim, as piadas são sem graças, dando os personagens situações caricaturizadas demais. Alguns exemplos: bater cabeça com japoneses na hora de cumprimentar, comer coisas estragadas da geladeira alheia, cuspir e devolver ao refrigerador, remédios que causam efeitos colaterais em aparições públicas, correr de animais selvagens, caricatura do Coringa e, claro, boladas no saco.

Mesmo tendo dois atores de renome, "Surpresa em Dobro" decepciona também pelo fraquíssimo roteiro, fazendo com que a sequência da história ficar tão sem propósito, além de um roteiro bem clichê.

Nem vou colocar o trailer no post, pois os trailers sempre fazem com que o filme tente ser "imperdível". Porém, este aqui é facilmente "perdível", a não ser que queira ver com as crianças.

Concordo com a crítica deste link:
http://omelete.com.br/cinema/critica-surpresa-em-dobro/

PS: Minha crítica pessoal: Depois que o Robbin Williams humilhou o Brasil de uma forma meio sarcástica naquele programa de entrevista norte-americana, meu conceito com o ator caiu muito, apesar de que o considero um ótimo ator sim, mas como pessoa talvez seja questionável.

20 de jul de 2010

Vacas & Vacas & Vacas

Meio nonsense, mas muito "cool".



Dica by "sobrenada.org"

16 de jul de 2010

Simplesmente Uma Lição de Vida

Viver em uma cama não é impedimento para as realizações de dois brasileiros. Que sirva de exemplo a todos nós para uma boa reflexão em nossas vidas cotidianas.

Eliana Zagui, um exemplo de vida


Vídeo no link abaixo:

Uma lição de vida

Fonte: Bom Dia Brasil

13 de jul de 2010

Impressora de Comida e Internet com Cheiro

As novas tendências tecnológicas não param de chegar. Depois de se comemorar 25 anos do filme "De Volta para o futuro", muitas ideias daquele filme em que Marty McFly e Doc Brown viajam até 2015 e encontram uma série de parafernálias futurísticas, hoje em dia, tais invenções já estão praticamente na nossa realidade, pelo menos em protótipos, como o carro voador, a prancha flutuante, as imagens holográficas, etc. E eis que surgem mais ideias que poderão ser revolucionárias: Impressora de alimentos e dispositivos com fragrâncias na internet.


A impressora de comida veio da ideia da impressora 3D, que já até existe no mercado, porém com um retoque de que as pessoas podem simplesmente imprimir seu almoço dentro de seu escritório. Parece coisa de maluco né? Já imaginou como seria prático mandar imprimir uma refeição completa, com direito a sobremesa, com apenas alguns cliques?
Assim é fácil de tornar um mestre da cozinha. Ou como diziam antes, já dá pra casar.


O dispositivo armazena os ingredientes em cápsulas na parte superior da máquina, como se fossem os cartuchos de tinta. Os cabeçotes, localizados mais abaixo, suga tais ingredientes, mistura-os seguindo as instruções da receita no programa do dispositivo e molda o alimento em camadas.

Segundo os projetistas, a precisão da combinação dos ingredientes e montagem dos pratos atinge até um décimo de milímetro e a exatidão no momento de configuração de valores para os processos de armazenamento e preparação das refeições, também, é algo que dificilmente teríamos com as tecnologias que conhecemos na culinária tradicional.


É claro que, por serem protótipos, as máquinas ainda necessitam de muito aperfeiçoamento, porém, testes com alimentos sólidos e pastosos já foram feitos e foram obtidos resultados expressivos. Ainda não se tem previsões de comercialização desta tecnologia, mas acredita-se que ainda teremos mais alguns anos para ver de perto a impressora de comida, mas já se está no caminho certo para mais uma possível revolução tecnológica. Pelo menos, as ideias estão fluindo.

E outra ideia que já foi bastante difundida anos atrás é a da internet com cheiro. E de quebra, dá para "sentir", pelo tato, um produto divulgado na internet. Essa máquina é um dispositivo que armazena todos os tipos de odores possíveis e com sensores milimetricamente projetados, também poderá simular o toque de um produto na internet.

Porém, na parte de desenvolvimento das texturas, não há como exemplificar complexidade de tal tarefa, além da quantidade de dados que seria transmitida via internet para que o usuário pudesse tocar cada parte de um objeto. Para simular superfícies ásperas, lisas, macias, duras, etc... teria que demandar cálculos minunciosos e sensores ultra modernos.

Entretanto, esta tecnologia será mais surpreendente do que vemos em filmes, pois não apenas será possível controlar os elementos da tela, como também interagir de verdade.

Além do tato, o olfato é também o alvo das pessoas no mundo da internet. Ao acessar um site de receitas culinárias, mostrando as fotos, não seria agradabilíssimo sentir o aroma da receita na internet? Pois tal aparelhinho também poderá simular nossos olfatos. Para que o sistema funcione, o protótipo utilizará também um sistema de "cartuchos", onde cada um terá odores salgado, doce, amargo, azedo e apimentado. Ao misturar certos odores em determinadas quantidade, teríamos uma simulação de um odor que sentimos no dia a dia. Mas... seria mesmo eficaz? Ainda é difícil de imaginar, mas os maiores fabricantes de perfumes já estão de olho na tecnologia para incrementar mais ainda suas vendas. Ao olhar um perfume a venda na internet, o internauta poderá usufruir de sentir o cheiro dele a partir de tráfego de bits na internet.

Enfim, já poderíamos imaginar o que poderia ser o futuro, com tais ideias? E outras que nem temos como ainda sequer imaginar daqui aos próximos 25 anos? "Os Jetsons" já será uma realidade próxima de nós?

Referências: baixaki.com.br

8 de jul de 2010

A má influência da mídia brasileira continua (Ex.: Caso do Goleiro)

O caso do goleiro do Flamengo (acho que já é ex-goleiro) tem repercutido no Brasil de uma forma extremamente exaustiva. Até parece que a mídia resolveu mudar o foco da atenção depois da decepcionante campanha da seleção na Copa. A mídia parece que precisava recuperar a audiência perdida depois do fracasso na Copa.

Mas, convenhamos, só porque o acusado é "famoso" (na verdade, eu nem conhecia esse sujeito) é que a mídia expõe esse caso de uma forma super sensacionalista. Como se no Brasil não existissem muitos "indivíduos" iguais a esse por aí a solta.

Claro, é importante que todos nós saibamos o que acontece em nosso cotidiano, mas será que é preciso ficar martelando em cima desse caso, expondo em demasia para que tenhamos um sentimento mais raivoso? É nosso dever ficarmos indignados, buscarmos sempre a Justiça e lutarmos por um país melhor. Mas o que adianta para nós sabermos de detalhes sensacionalistas, sendo que existem notícias mais importantes a serem relatadas? Por que não se divulga muito sobre educação, saúde e, principalmente, relatos positivos de comunidades que batalham pelo nosso país? Porque sabe que esses temas não dão audiência. As mídias preferem sempre notícias que deem "ibope" e, infelizmente, o brasileiro ainda tem uma cultura de interesse "sensacionalista" em que não acrescenta em nada na nossa cultura. Pelo contrário, pode até difamar mais ainda nosso país. A mídia internacional já está também divulgando tal caso do Bruno mundo afora. Já bastou a repercussão negativa do Felipe Melo na Copa a nível mundial. Aliás, é nos momentos de "tensão" e "nervosismo" que vemos o verdadeiro caráter de uma pessoa, se a pessoa "passa na prova" ou não.

Casos, como o daquela advogada assasinada num carro também foram extremamente exauridas pela mídia a ponto de se pensar que só temos notícias ruins para mostrar ao Brasil e ao mundo. Nem vou comentar também sobre o da "ex-estudante" da UNIBAN. Expondo tais notícias exageradamente, o Brasil só tende a perder.

Felizmente, existem outras formas de se atualizar no cotidiano sem precisar ficar somente nas TV's ou nas rádios. Se a mídia insiste em buscar casos que deem audiência, temos que saber filtrar as notícias que chegam até nós, seja na TV, internet ou qualquer outra forma de comunicação. O que não podemos é alimentar esses casos para ficarmos somente indignados e revoltados (e também dando audiência para mídias que só visam lucro). Se cada um fizermos nossa parte, não teremos que aturar cada vez mais casos bizarros como esses.

OBS: Já tinha postado algo sobre isso neste blog. Ver link aqui. Por isso, fica aqui, de novo, meu desabafo.

OBS 2: No último domingo (dia 11), a Globo, com o "Fantástico" e a Record com o "Domingo Espetacular", abriram seus programas ao mesmo tempo falando só sobre esse caso do Ex-goleiro do Flamengo, fazendo cobertura completa e gravações com simulações dos casos. Tudo para abocanhar audiência um do outro. A conquista da Espanha na Copa ficou em segundo lugar. A mídia brasileira está repugnante!!

5 de jul de 2010

J-Dorama (IV) : Around 40 (アラウンド40)


É a estória de uma médica psiquiatra bem sucedida onde trabalha em um hospital regional de Tokyo. Sua idade: 39 anos. Daí o título da novela; ou como os personagens dizem: "Ara Four". O detalhe é que a personagem ainda não se casou, está solteira e não tem filhos. Mas esse "detalhe" não é uma preocupação para ela, pois se dedica ao trabalho e quer sempre dar o melhor de si para ajudar seu próximo e para ser bem sucedida em sua carreira. Tenta não ligar para essa vida de solteirona e curte viajar, comer em restaurantes, ir em "onsens" (termas naturais) e se divertir sozinha mesma. Entretanto, sempre que pode, ela tenta ir a um daqueles serviços de encontros matrimoniais para achar seu futuro parceiro.

Satoko Ogata (esse é o nome da protagonista) sempre se encontra num restaurante de um conhecido com outras duas amigas, que dividem e compartilham de suas vidas cotidianas. Uma é casada e tem um filho que estuda numa escola "ginasial", mas vive o problema da falta de diálogo na família. Outra casa-se com um estilista de renome para se promover de cargo de chefia na empresa dele. Já dá para imaginar o desenrolar da estória...

É um "dorama" que tenta mostrar fatos e análises de exemplos sociais com conteúdos éticos, morais e determinantes. Mostra o sacrifício e a renúncia de que muitas vezes temos que tomar para escolher o melhor caminho; e escolher nossos caminhos para encontrar a verdadeira felicidade, seja casado ou não.

Uma novela comediana agradável, bem light, que vale uma conferida. Possui 11 episódios no total.

2 de jul de 2010

As Lições para o Brasil numa Copa


É, a copa de 2010 acabou para o Brasil. Alegrias de um lado, tristezas de outro. Não tem jeito. Dessa vez, a seleção não teve “competência” em seguir adiante, mostrando o quanto o futebol está cada vez mais disputado, acirrado e horrível de ver. Aquela sensação de jogar com o coração, na raça não existe mais como antigamente, e isso não serve apenas para o Brasil, mas para outras seleções em geral. Talvez o futebol tenha mudado muito a ponto de que não exista mais aquela “potência mundial” no futebol. Os espetáculos dentro de campo ficam em segundo plano, valorizando somente o resultado “custe o que custar”. Dentro de campo, presenciamos jogadas desleais, violência, provocações, xingamentos e acusações. Claro, se uma seleção ganha a Copa, tudo isso é esquecido, mas quando perde, ficamos lembrando somente decepções e tais atos descritos acima, culpando o técnico, todos os jogadores, a comissão da seleção... nossa, que “energia” negativa é essa...

Parece que numa copa, ou temos alegria demasiada ou decepção acentuada, jogando culpa em fulano ou beltrano. Por que esses sentimentos (alegria e tristeza) ficam exagerados dentro de nós? Será que não estamos muito “bitolados” em futebol? A gente tira sarro dos argentinos, mas e a sensação oposta não é desagradável? Eles (argentinos) devem estar felizes de “orelha a orelha” pela eliminação do Brasil. Mas fico pensando, É agradável ficar feliz à custa das “desgraças” dos outros? Paremos para pensar.

A Copa do Mundo têm se mostrado cada vez mais de interesse financeiro, que é incrível como uma competição pode, muitas vezes, mudar o comportamento de um país durante as partidas. Quando a seleção entra em campo, tudo para. Claro, temos que dar o maior apoio possível à nossa seleção, mas não podemos fazer os jogos do Brasil na copa um pretexto para virar “feriado”. Apesar da enorme alegria quando a seleção ganha, isso não muda o lado sócio-econômico do país.

Os altos salários dos jogadores das melhores seleções, na maioria das vezes, não justificam nas suas atuações dentro e fora do campo. Numa competição, onde o poder, a fama e o dinheiro estão cada vez falando mais alto, fica difícil acompanhar o futebol mundial com paixão. E por falar em dinheiro, no “fiasco” da copa de 98, foi praticamente certo de que o Brasil “vendeu-se” por interesses ocultos. E também em 2002, quando a “meio-expressiva” Coréia chegou até as semi-finais, desbancando Itália e Espanha. Claro, a FIFA queria arrecadar mais com uma das seleções anfitriãs nos mata-matas. Não duvido não se alguns jogos não foram meio manipulados por trás. Dá para ter credibilidade nisso tudo?

Outra questão são os absurdos erros de arbitragem, principalmente nesta última copa que deixam a competição cada vez menos valorizada e até raivosa. Acho que o objetivo dos jogos não é deixar ninguém com raiva ou desprezo. Na verdade, teríamos que ser mais humildes e respeitosos.

Se o Brasil está fora dessa Copa é porque o fato foi merecido mesmo. As derrotas servem para refletir e analisar nossos comportamentos e buscar forças para mudanças, pois todos nós precisamos sempre mudar; sem elas, não há evolução e caráter.