31 de ago de 2009

Game Nostalgia (VI): Golden Axe

Um clássico que merece destaque. Antes de colocar o referido post, achei, na minha opinião, a melhor versão do tema de “Wilderness” orquestrada, tema clássico do game "Golden Axe". Quem conhece o game, vale a pena escutá-la um pouco. Coloquei-a abaixo, apenas a música.


Se quiser, clique no “play”, enquanto acompanha o post abaixo.

Versão medieval dos clássicos de luta, "Golden Axe" marcou uma era dos guerreiros medievais, misturando poderes mágicos e animais místicos. Estilo "Double Dragon", também pode-se escolher entre três guerreiros: um "Conan", uma "Xena" de biquíni vermelho e um anão chifrudo com um machado maior que ele. Cada um possui poderes mágicos diferentes e cada vez que os personagens adquirem potes azuis de duendes azuis, aumenta a barra de magia deles, consequentemente, aumentando o poder de destruição das magias.

O esquema era básico: bate os inimigos, anda para a direita até chegar ao chefão de cada fase. Fórmula batida, mas que, para aquela época era um sucesso, aliás, para muitos saudosistas, assim como eu, nem ligava muito nesse detalhe. O importante era o fator diversão. A versão para "arcade", estourou nos fliperamas da época. Tamanho sucesso, a Sega, criadora do game, criou suas versões para Mega Drive, Master System, Amiga, etc...

O primeiro "Golden Axe" tinha músicas muito boas e os gráficos eram excelentes para a época. Uma pena que o game era muito curto, ou seja, não tinha muitas fases. A versão do Mega Drive incluía uma fase a mais, encarando duas vezes o bonequinho do chefão final, com um detalhe que o segundo bonequinho possuía todas as magias dos guerreiros e bastava o computador acioná-lo que a barra de energia dos jogadores minava. Um mero detalhe, mas que deixou o game da versão do Mega mais difícil (fora os malditos esqueletos que não morriam nunca...). Ah, outro "defeito" era que os inimigos eram muito burros: Bastava você seguir até um precipício que eles muitas vezes se jogavam lá. Porém, não deixava de ser hilário.

Enfim, foi um marketing de sucesso da Sega, que resolveu depois, lançar suas continuações. Aí que a Sega pisou na bola. "Golden Axe 2" para arcade nunca joguei e parece que foi um fracasso; a versão 2 para Mega Drive foi melhorzinha, mas a jogabilidade era ruim e acabou ficando muito "massante" terminá-lo, apesar de novas magias. Golden Axe 3 então nem se fala: fracasso total que nem vou mencioná-lo aqui.

Mas, mesmo com seus revés, G.A. mereceu destaque na história dos games, mas que, infelizmente, suas continuações o fizeram enterrar sua "marca". Fica aqui registrado mais um "Game Nostalgia".

21 de ago de 2009

Belo Mostruário

Sonho de todo homem ter em casa, hehe.

14 de ago de 2009

O Lado Bom da Gripe Suína


Essa "paranoia" da gripe suína (Gripe Influenza AH1N1) pelo país inteiro tem uma certa explicação. O Brasil já atingiu como o 3o. maior número de mortes provocada pela tal gripe (1o. é os EUA e 2a. é a Argentina). As escolas das regiões Sul e Sudeste recomeçaram as aulas, em média, duas semanas após o período de férias escolares para prevenção contra uma grande epidemia da gripe entre as crianças (um dos grupos de maiores riscos, ao lado das gestantes e dos idosos).

O fato é que agora temos mais uma gripe "a ser convivida", e em países "em desenvolvimento" como o Brasil são os que mais sofrem, devido a vários fatores, que nem preciso comentá-las aqui...

A prevenção é a mesma contra a gripe comum: higienizar bem a frente e as costas das mãos, não pôr as mãos em lugares públicos onde se costumam tocar, tomar bastante água, fazer gargarejos constantemente, alimentação adequada, arejar bem os locais e assim vai. Agora é bem comum usar álcool-gel a cada momento, tanto que até têm tido falta desse produto nas farmácias e supermercados, e quando têm, seu preço está lá nas alturas (ganância dos revendedores, atravessadores...).

Mas pelo menos tal fato, assim como a Atual Crise Mundial, fez com que o ser humano tivesse que mudar seus comportamentos. No caso da gripe suína, nos trouxe os velhos hábitos de higiene, que na teoria, todos nós já sabíamos, mas que na prática era outra história. Agora as pessoas têm se preocupado com a saúde e em vários estabelecimentos e restaurantes já têm álcool-gel a disposição ao usuário, alguns banheiros agora têm sido limpados frequentemente ao longo do dia, bebedouros são substituídos por galões de água, com copos descartáveis, etc... Nas escolas, professores têm ensinado às crianças sobre a importância da higienização e da cultivação de tais hábitos.

É..., tem que aparecer uma nova ameaça, como a gripe suína, para que o ser humano aprenda a se cuidar, isto é, como não aprende "no amor", tem que aprender "na dor".

9 de ago de 2009

Momento Geek: Esse grito me é familiar...

Entrando na onda dos momentos NERDS dos blogs, vou pôr meu momento GEEK, sobre um grito que ouvi no YouTube (cena do filme "Mamãe é de Morte"/"Serial Mom") e me pareceu muuuuito familiar...


Muito familiar, não acha? Aí, pelos comentários do vídeo no YouTube, vi que esse grito já apareceu em vários lugares (plagiados?)...citando por exemplo, aqui, aqui e aqui (pule para 0:20 e 1:45).

Vídeo dedicando ao "Youraaagh!!"

Depois apareceram montagens com o famoso grito, mas não vou postá-los aqui.

6 de ago de 2009

World Cosplay Summit 2009

Todo ano, o Campeonato Mundial de Cosplay é realizado em Nagoya, Japão, onde é reunido os melhores cosplayers de vários países, e sempre os cosplayers brasileiros estão presentes cada ano. Aliás, vários países, como a França, têm se destacado nas apresentações, devido a influência da cultura Pop Japonesa (J-pop, animês, mangás, games, etc...). Enfim, é uma febre OTAKU pelo mundo inteiro, porém, nota-se claramente que os japoneses ainda são presença esmagadora nesse tipo de evento, quando é no Japão.

Presenciei o evento de 2007, em que uma dupla francesa venceu o campeonato de performances. O local é sempre na galeria-shopping "Oasis 21" (fotos 1 e 2), no centro de Nagoya. Como morava pertinho de Nagoya, era presença obrigatória. No dia anterior, vários cosplayers desfilam nas galerias comerciais e no Templo Budista -Osu Kannon de Nagoya(foto 3). E como tem "paparazzos", hehe.


Fotos 1, 2 e 3 respectivamente - clique nas fotos para ampliar


Mas não pensem que isso é só curtição. Os participantes levam muito a sério tal evento. Treinam arduamente suas performances com várias sincronizações de efeitos sonoros, além da confecção dos detalhes das vestimentas.


Enfim, quando vi a reportagem do Jornal Hoje abaixo, me deu uma tremenda nostalgia do evento. Que saudades das galerias de Kamimaezu, uma espécie de Akihabara de Nagoya. Se eu tivesse tempo e grana, acho que encararia uma participaçãozinha amadora, hehe... quem poderia encarnar? Sugestões... XD

4 de ago de 2009

Hostess no Japão em Alta

A reportagem abaixo do NYTimes (traduzida pela UOL) mostra a popularidade numa profissão, que antes, era considerada "vergonhosa", mas que devido a influência das mídias e da crise mundial, muitas japonesas (e também muitas estrangeiras, incluindo brasileiras) tentam entrar nessa fatia de "mercado", com uma ilusão de glamour e luxúria no País do Sol Nascente. Será que as jovens, hoje em dia, ainda consideram a profissão de hostess (acompanhantes de bares) um meio digno de vida? É um alerta também às brasileiras que querem tentar a vida dessa forma, seja no Brasil, seja no exterior.

1 de ago de 2009

Superstições Japonesas


O país da tecnologia tem superstições milenares. Elas são curiosas, mas todo mundo acredita, pelo menos a maioria dos japoneses sim.

Apesar dos trens de alta velocidade, das novidades tecnológicas e da exportação de supercarros, o Japão é um dos países mais supersticiosos do mundo e isso já vem desde a Idade Antiga e muitas delas, são tão antigas quanto as religiões nacionais xintoísta e budista. Atravessaram os séculos e continuam no Japão moderno com toda força.

Há crenças para quase tudo: desde a posição em que se deve colocar a cama no quarto para não atrair má sorte, até datas favoráveis a casamentos. Algumas, como a de que o número quatro atrai azar, são levadas muito a sério. Dar um presente composto por quatro peças, é considerado uma grande ofensa.

A seguir, algumas superstições japonesas:

Pavor do número quatro
Japoneses têm pavor do número 4. É que a pronúncia do número é a mesma da palavra morte, "shi". Por isso, não estranhe se não encontrar o quarto andar em um prédio, ou se achar a vaga de carro de número quatro vazia. Além disso, alguns hospitais japoneses não têm os números 4, 9, 14, 19, ou 42 nos quartos. "Shi-ni", ou 42, também significa morrer. Já o número 420 lê-se "shi-ni-rei", ou espírito morto. O 24, então, é morte em dobro: "ni-shi".

Números da sorte
Mas os números não trazem apenas mau agouro. Um exemplo é o dia 29 de setembro. A data é muito indicada para começar um namoro, ou marcar o noivado e o casamento. É que a leitura em japonês do número 929 (no país, o mês vem antes da data) é "ku-tsu-ku", que significa “grudar”. Por isso, acredita-se que o casal que oficializa a união nesse dia permanecerá “grudado” para todo o sempre.

Cobra da fortuna
Se em alguma caminhada campestre você se deparar com um pedaço de pele de cobra, pegue-o e guarde na carteira. Segundo os japoneses, o couro do réptil fará com que a pessoa fique rica ou encontre dinheiro. Para eles, o ser rastejante simboliza dinheiro e saúde. Alguns acreditam que a cobra é um animal de Deus. Dizem que ao matá-la, a pessoa perderá dinheiro.

Direção demoníaca
Muitos japoneses ainda acreditam que a posição de uma casa pode influenciar na fortuna que quem irá residir no local. Essa crença é denominada "kaso". Trata-se de uma espécie de "feng shui" do Japão. Um exemplo é o "kimon", ou seja, quando a porta de entrada da casa está posicionada na direção nordeste. Os antigos crêem que o "kimon" atrai o demoníaco monstro "Oni". Até hoje, muitos evitam posicionar a entrada principal da casa nessa direção.

De pauzinhos para pauzinhos
Até hoje, muitos funerais seguem a tradição budista. Nesse dia, o corpo é queimado e, enquanto isso, os convidados fazem uma refeição. Encerrada a cerimônia, os parentes retiram os ossos das cinzas, passando-os de pessoa para pessoa, com o "hashi". Por esse motivo, nas refeições do dia-a-dia, não se deve passar comida de "hashi" para "hashi". Segundo os japoneses, isso traz má sorte.

Deitar como morto
Na hora de decorar seu quarto, lembre-se de não posicionar a cabeceira da cama para o norte. De acordo com os japoneses, somente pessoas mortas são colocadas desse jeito. No Japão, é costume prestar muita atenção ao colocar a cama no quarto ou na hora de estender o edredon para dormir. Essa superstição é denominada "kita-makura" (travesseiro no norte).

Borda do tatami
Para os japoneses, pisar na borda do tatami dá azar. É preciso prestar atenção também na hora de posicionar o tatami no chão. O encontro das bordas não pode formar uma cruz, que remete à morte. É importante medir o espaço e arrumálos de maneira correta. Além do mau agouro, eles consideram pouco elegante colocar o pé nesse local.

Idades turbulentas
Os templos e santuários do Japão costumam receber homens e mulheres que não querem sofrer a maldição do “yakudoshi” (idade da calamidade). A palavra se refere às idades de 42 anos para homens, e 33 para mulheres. Os japoneses acreditam que esse período é crítico e turbulento, por isso os amigos e parentes oferecem uma festa para reunir energia positivas para ajudar a superar as dificuldades do período. No ano seguinte, ou seja, quando a mulher completar 34 e o homem 43, é a vez dos aniversariantes retribuírem a festa. O agradecimento é chamado de "yakubarai" (um tipo de "exorcismo"). Segundo estudiosos, os dois números integram o princípio do Yin e Yan, pois 34 é o contrário de 43 e a soma de 4 + 3 = 7, que é considerado um número místico. Algumas pessoas agradecem com um culto, em vez de festa.

Os japoneses acreditam que dá azar…
- Matar uma aranha de manhã;
- Arrebentar a tira do chinelo, getá, sandália, tamanco e afins;
- Comer tempurá com melancia na mesma refeição;
- Levar um vaso de planta para uma pessoa doente;
- Não jogar sal na porta depois que um mendigo passar por sua casa pedindo esmola;
- Passar por um carro funerário;
- Apontar para um carro funerário, ambulância ou lápide;
- Se a primeira pessoa que encontrar de manhã for um monge budista, você terá um dia ruim;
- Estrear sapatos novos à noite;
- Quebrar o pente;
- Responder a um sonâmbulo.

Superstições de boa sorte:
- Se um passarinho fizer cocô na sua cabeça, isso é sinal de bom presságio;
- Se a primeira pessoa que encontrar de manhã for uma monja, terá um dia de sorte;
- Se o ouvido direito coçar, terá boas notícias.

Algumas crenças muito estranhas:
- Não se deite logo após comer. Você pode se transformar em uma vaca;
- Em uma refeição, não misture enguia com "umê" (ameixa japonesa). Isso pode trazer muito azar;
- Se cortar as unhas à noite, você não estará presente quando seus pais falecerem.

Têm muito mais crenças que se pode imaginar, mas aí o post ficaria muuuuuito extenso... Ainda bem que não sou tão supersticioso assim.

Referência adaptada do site da Gambarê.