7 de nov de 2012

Manual de Prevenção ao Suicídio Infantil no Japão


O número de suicídios no Japão ainda é muito alto, especialmente entre as crianças e os adolescentes. Uma das causas é o "bullying" ou "ijimê" (em japonês), onde outras crianças e adolescentes (ou até mesmo adultos) vivem maltratando as crianças vítimas e, com isso, cometendo suicídios. Para ajudar no combate ao bullying e ao suicídio, o conselho de educação da cidade de Saitama desenvolveu um manual que ajuda os professores a detectar sinais entre seus alunos que podem leva-los ao suicídio. O risco de suicídio, avaliado de acordo com o comportamento ou palavras dos alunos, foi dividido em três graus, cada um dos quais foram estabelecidos um conjunto de medidas preventivas.


Desde que o manual entrou em vigor em 166 escolas em setembro, houve 54 casos de risco de suicídio. Tudo indica que graças ao manual os professores tem melhorado seus níveis de observação sendo capazes de detectar sinais de um provável suicídio e tomar medidas rápidas e apropriadas, ressaltou um funcionário do Ministério da Educação.

O suicídio de uma menina de 14 anos de idade, em 2008, levou o conselho de educação de Saitama a redobrar seus esforços para evitar que crianças tirem suas vidas, com medidas que incluem questionários para verificar seu estado psicológico. Para desenvolver o manual foram levados em consideração casos anteriores de suicídios. Se uma criança envia um e-mail para um amigo no qual ele escreve: "Eu quero morrer" ou informa que está criando as condições para tirar sua própria vida, o manual considera que o caso está no nível 3 de urgência.

Em uma escola secundária, um professor, depois de saber que um aluno escreveu “quero morrer” e “a vida não tem sentido”, relatou o caso. A escola agiu imediatamente e o estudante está atualmente em tratamento psicológico. O superintendente de educação da cidade, destacou que o trabalho de prevenção do suicídio em crianças é responsabilidade de toda a sociedade japonesa e espera que nenhuma criança tire a própria vida.

Mas o melhor "manual" da vida é a educação presencial, principalmente com os pais em conjunto com as escolas. O diálogo sempre foi e sempre será a melhor arma contra o "bullying", e, consequentemente, contra o suicídio.

Com informações da IPC digital

6 comentários:

  1. Puxa, uma triste realidade esta, hein?! Bom saber que estão ao menos tentando melhorar esta situação.

    Pra mim sempre fica a impressão de que os suicídios são um sintoma do alto nível de cobrança e de competição na sociedade japonesa. Além também da questão cultural de auto-depreciação. Acaba que isso abala a auto-estima de tal forma que muitos simplesmente não conseguem suportar. Triste.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa observação, Andréa. A sociedade japonesa, em especial, é exigente demais até para uma criança, que ainda está em pleno desenvolvimento do senso crítico. Isso ainda os japoneses precisam saber dosar. É importante disciplina e organização? Sem sombra de dúvida, mas da maneira que muitos pais impõem em seus filhos é que precisa ser revista.

      Excluir
  2. Esse lado da natureza humana, de maltratar os outros por prazer, é desprezível. Agora quero ver o que eles vão fazer com o bullying criado pelo sistema deles.

    ResponderExcluir
  3. Andrea disse tudo. Quem pensa q a sociedade japonesa é perfeita, q tudo funciona bem está muito enganado. o Japão é campeao mundial de suicídio, a sociedade cobra muito o cidadão, seja na escola no trabalho, seu comportamento..

    ResponderExcluir
  4. Anônimo1/7/13 10:14

    Concordo c todas voces. O primeiro problema e o materialismo desenfreado e a futilidade. Aqui e necessario ter licenca para tudo, mas a formacao dos professores e precaria, eles praticamente nao tem aula de psicologia. Deviam exigir um curso p quem pretende ter filhos, pois os pais sao imaturos, nao sabem lidar com as criancasm nao tem tempo p dar-lhes atencao, dialogar e dar carinho. As criancas desde cedo se sentem sozinhas, desprotegidas.
    Muitas vezes sao os proprios pais que judiam da crianca com suas coobrancas absurdas pelo futuro. Aos 3 anos tem que saber ler, aos 6 comeca a perguntar o que quer ser quando crescer. E preciso permitir que as criancas vivam sua infancia! Alem da taxa de natalidade ser baixa no pais, o numero de suicidio e alto. O que sera do futuro deste pais? A raca japonesa se extinguira. E o pior e que isto se arrasta ha anos e nao resolvem. Esse manual e o mesmo que colocar um emplastro numa perna quebrada. Precisa ir mais fiundo na questao!

    ResponderExcluir
  5. gostaria de ler este manual. vc poderia me indicar como conseguir? Luiza

    ResponderExcluir