5 de mar de 2010

A Influência dos Sons

Antigamente, as pessoas tinham pelos barulhos, a percepção de alertar ou prevenir várias ameaças e fatos, especialmente sons da natureza. Com o progesso da industrialização, vários sons têm até perturbado a gente, que criamos um certo "bloqueio" para ignorá-los, como o barulho dos automóveis, etc. Julian Treasure, pesquisador há anos sobre a influência dos sons no nosso cotidiano, fala sobre como a gente têm encarado os sons corriqueiros do dia a dia, até aquela musiquinha ambiente das lojas podem influenciar no poder de compras dos clientes. A seguir, alguns trechos da entrevista que a revista SUPERINTERESSANTE deu aos leitores.

Pergunta: O som está cada vez mais inconsciente, na sua opinião? Por quê?

Resposta: Muitas pessoas eram cercadas só pelo barulho do vento, da água, dos pássaros. A audição era nosso sentido de alerta, indicando ameaças. Com a industrialização, criamos o hábito de suprimir os ruídos das cidades e ignorar a audição. A maioria dos efeitos dos sons ao nosso redor se moveu para um plano inconsciente. Hoje dependemos demais dos olhos e não compreendemos como os sons influenciam nossa vida.

P: Os sons, então, podem nos deixar alertas ou relaxados, é isso?

R: Sim, sons têm um efeito psicológico, dependendo da associação que fazemos. Muitos acham o canto dos pássaros reconfortante, pois ao longo da evolução aprendemos que tudo está tranquilo quando os pássaros cantam. O mar nos relaxa, porque tem uma frequência de 12 ciclos por minuto - a mesma da nossa respiração quando dormimos. Mas não é só isso. Sons interferem no funcionamento do nosso corpo. Uma sirene gera uma descarga do hormônio cortisol, que acelera o nosso coração. Além dos efeitos que podem influenciar o nosso comportamento.

P: Como assim?

R: Por exemplo: se alguém puxa papo enquanto você trabalha no computador, sua concentração vai piorar. É porque você usa a memória sensorial para manipular símbolos e palavras, e a conversa afeta seu senso de espaço - afetando sua produtividade. Escritórios amplos e barulhentos derrubam em 66% a produtividade dos funcionários. Nesses lugares, um fone de ouvido e música ambiente ajudariam você a se concentrar no trabalho.

P: Poderíamos usar sons para manipular os outros?

R: Sim. O ambiente musical tem um efeito radical sobre compras. Mas as empresas, em geral, não sabem disso. Em lojas de departamento, uma música inapropriada pode reduzir as vendas em até 28% (como música infantil em loja de crianças, que pode espantar os adultos). A mensagem captada pelos olhos do cliente é "entre e gaste seu dinheiro", mas os ouvidos escutam "vá embora, ambiente hostil". Ou então a música pode influenciar a decisão dos clientes, como aconteceu numa loja de vinhos inglesa. Apesar de os vinhos franceses serem mais tradicionais, eles eram menos vendidos do que os alemães quando a loja tocava música da Alemanha, ou seja, o som foi capaz de vencer a tradição.

P: Quais são suas conclusões?

R: A busca pelo uso eficiente do som é o ponto em comum entre as duas atividades. E hoje é um novo tipo de marketing, que tem crescido. Esperamos transformar o som dos negócios e o modo como o mundo soa ao nosso redor.



Para ver legendas, clique em "view subtitles"

3 comentários:

  1. O Japão impressiona neste sentido.Apesar do ruído dos automóveis, é uma sociedade silenciosa. É a sociedade do fone de ouvido! Com exceção dos "Bosozokos", os ruídos e barulhos são controláveis. Os brasileiros, as vezes excedem! Mas, são repreendidos. Pssiiuuuu! Vamos falar mais baixo, não sorrir alto, etc. Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Uia... Nunca parei pra pensar nisso... E é engraçado, em matéria de concentração, televisão ligada não me afeta em nada, já duas pessoas conversando me afeta total!
    E essa do som do mar não sabia tb. Adoro o som do mar...
    E da música de loja tb! Tem loja de roupa que toca música de balada, e eu acabo dançando dentro do provador... Já quando toca música do Calipso eu tenho vontade de sair correndo...
    No mais, muito interessante...

    ResponderExcluir
  3. Tenho feito alguns exercicios de praticas rotineiras, mas sem a visao, para poder prestar atencao melhor nos ruidos em volta de mim (pode-se dizer que nao deixa de ser uma certa meditacao...). É claro, barulhos do dia a dia, como transito intenso, tento realmente ignorar, a nao ser que possa causar um estagio de alerta. Sabe que isso é até interssante?

    ResponderExcluir