10 de dez de 2010

Caso da WikiLeaks e Seu Desdobramento

Esse é um dos assuntos mais discutidos atualmente. Bom, quem não sabe o que é a WikiLeaks e o que está acontecendo... procure na Google, oras =). Mas, voltando; desde que estourou a notícia de divulgação de “documentos sigilosos” de diversos países, em especial, dos EUA, muitos acontecimentos subsequentes foram apresentados. E a gente fica pensando, como chegou a essa relevância de nível mundial?


Para começar, o projeto da WikiLeaks já envolvia uma polemitização, ao criar um espaço na Internet para divulgar acontecimentos relevantes e confidenciais vazados de diversos governos e empresas. Apesar disso, a grande motivação seria o combate à censura nos dias de hoje, onde TODOS teriam direito à transparência de fatos e articulações dos governos, através de documentos redigidos por voluntários que conseguiam acesso à informações sigilosas, especialmente, informações sobre os bastidores dos maiores Governos do mundo.

Realmente, é uma questão delicada de discussão. Por um lado, os governos mantêm o sigilo por questões de segurança mundial a fim de evitar quaisquer tipos de guerras (econômica, diplomática, etc.) e tentar garantir a “paz” entre os países. Porém, do outro, ideias de transparência, liberdade de expressão e combate à censura crescem cada vez mais, num mundo ainda mais globalizado do que nunca. Claro, a ferramenta fundamental, a Internet é o meio de toda a tramitação.

Mas, o que mais se discute recentemente, não são os dados sigilosos divulgados na WikiLeaks e sim, o seu desdobramento. Os EUA, junto com seus aliados políticos, declararam meio que uma “guerra” ao projeto da WikiLeaks, oficializando um “mandato de prisão internacional” ao fundador do projeto. Ao localizá-lo e prendê-lo, diversos simpatizantes manifestaram apoio ao fundador, criando um clima de protesto a nível mundial. Além disso, ao noticiar divulgação de tais documentos secretos, diversa empresas que financiavam a WikiLeaks cortaram suas relações com ela e, consequentemente, diversos hackers-simpatizantes pró-WikiLeaks atacaram os sites dessas empresas, fazendo ataques tipo “negação de serviço”, inundando de dados inúteis aos servidores das empresas, deixando os sites fora do ar por diversas horas. A VISA e a MasterCard foram algumas das atacadas, e com isso, diversos trâmites que envolviam os cartões de créditos no mundo inteiro tiveram problemas, tendo causado enormes prejuízos a empresas e pessoas. Criou-se assim, uma “guerra virtual” entre os hackers-simpatizantes pró-WikiLeaks e as empresas que boicotaram a WikiLeaks.


Com tudo isso, poderíamos pensar no assunto: Como está sendo tratado a “liberdade de expressão” e a “ideia da transparência governamental”? Até que ponto temos direito de divulgar quaisquer tipo de informação (sigilosa ou não)? Países como os EUA estão agindo corretamente? O que isso poderá causar ainda mais na vida dos cidadãos? Em que lado a ética está sendo desrespeitada? Até que ponto tem-se realmente integridade e confiabilidade nas divulgações da WikiLeaks?

É, parece que o ser humano está “loooonge” de ter um mundo de paz...

4 comentários:

  1. Sei lá, deve ser aquela coisa que a gente está cansado de escutar, que a sua liberdade vai até onde começa a do outro.

    ResponderExcluir
  2. Olá Ocho! Tudo bem?

    Fiquei muito feliz com a sua visita no meu blog e principalmente pela mensagem de felicitações. Sem contar, é claro, os seus depoimentos do ator/atriz preferidos. Me diverti muito com eles!!! Depois passo aqui pra comentar seu post.

    Bjuss e obrigada pelo carinho!

    ResponderExcluir
  3. Pelo menos, parece que dessa vez, o grupo de hackers resolveu parar com os ataques, enfocando em ajudar a divulgar ainda mais a WikiLeaks e informações extra-oficiais.

    ResponderExcluir
  4. Olá Ocho!
    Comentando sobre o post, realmente é complicado dizer quem está certo sobre o caso da WikiLeaks. E já viu no que dá mexer com o Governo americano. Realmente a paz no mundo está longe de ter um fim.

    ResponderExcluir