22 de fev de 2012

A Polêmica da Meia-Entrada

Quando se criou a lei da meia-entrada, foi com o objetivo de dar o direito aos jovens estudantes um acesso mais facilitado à cultura (cinema, teatro, etc...) inclusive até para partidas de futebol nos estádios (cultura?). Porém, um dos problemas da meia-entrada começa com a tendência de "espertinhos" fraudarem carteirinhas de estudantes para conseguir descontos. Até existe um esquema de falsificação dessas carteirinhas, como todo documento pessoal. Tudo em nome da tal "Lei de Gerson", enraizado nos costumes brasileiros.


Outro problema da meia-entrada é o fato de que os preços dos ingressos acabam encarecendo para compensar as perdas da meia-entrada, então, aquele que paga uma entrada inteira acaba sendo prejudicado. E se imperar a fraude das carteirinhas, aí sim que o honesto que paga inteira "paga o pato". Inclusive os próprios estudantes acabam sendo prejudicados com o aumento também das suas meia-entradas.

Só para se ter uma ideia da tamanha fraude impregnada, em 2008, o Ministério da Cultura estimou que 80% das carteiras de estudantes no Brasil estariam forjadas. E como não há uma fiscalização decente neste país, as organizadoras de eventos, os cinemas e os teatros acabam aumentando os valores dos ingressos para compensar os prejuízos, prejudicando a todos.

Agora com a proximidade da Copa do Mundo no Brasil, a polêmica da meia-entrada nos jogos da Copa ganhou repercussão a nível mundial. Ceder ou não ceder? A meia-entrada praticamente só existe no Brasil, por isso, a FIFA (entidade futebolística internacional) estava entrando na guerra contra uma lei brasileira.

Outra polêmica: a meia-entrada serve para eventos que tentem enriquecer a cultura. Shows e eventos que envolvam apenas diversão não podem considerar a meia-entrada. Por isso, muita gente pergunta: Futebol é cultura?? Fica a questão.

Barato que sai caro


Mas, claro, a meia-entrada, se fosse utilizada de maneira correta nesse país, até poderia ser realmente um grande incentivo à cultura para os brasileiros sem condições financeiras. Com o acesso à cultura, jovens tendem a ter estudos mais eficazes e teriam menos evasão escolar. Qualquer mecanismo que leve cultura à classe mais pobre é bem vinda, desde que seja utilizado de bom senso. Mas para se ter bom senso, o brasileiro precisa é ter acesso à educação, coisa que, infelizmente, estamos ainda engatinhando.

É, não tem jeito. Não adianta criar "remendos" nas leis para tentar melhorar nosso país, se a nossa própria base educacional está estacionada. É como tentar tapar o sol com a peneira. Como disse meu colega "fmass", a solução para tudo isso é: Investimento em educação. Foi isso que o Japão fez depois da 2a Guerra e a Coréia mais recentemente.

8 comentários:

  1. 80% das carteiras de estudante forjadas? Impressionante... também concordo que o Governo deveria investir mais em educação, possibilitando o acesso a cultura a todas as classes sociais. Infelizmente, pessoas com direito a meia-entrada poderão ser prejudicadas por atos desses “espertinhos”. Ah, e gostou do meu Jun dançarino hehehe...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu, a princípio até apoiava a meia-entrada, se seu uso fosse de bom senso. Mas agora não tenho mais a mesma convicção das vantagens da meia-entrada atualmente.

      Excluir
  2. Vi uma peça de teatro em que os atores diziam que se você forjasse sua própria carteirinha eles aceitavam cobrar só meia entrada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu Deus... a que ponto chegamos.

      Excluir
  3. taí mais uma lei que nao serve p/ absolutamente nada, apenas p/ os "espertos" tentarem ganhar em cima. Brasil é o país das leis inúteis!

    ResponderExcluir
  4. Pois, é, Ocho, a gente até entende as boas intenções da meia-entrada, mas o fato é que, na prática, isso se mostra uma grande furada.

    Minha opinião é exatamente essa que vc usou pra fechar o post: não há outro caminho a não ser o investimento na educação - e desde a base.

    A educação é o verdadeiro caminho para minimizar as desigualdades sociais. Dando igual oportunidades a todos, todos teriam acesso ao mercado de trabalho e, consequentemente, à cultura, ao entretenimento. Essas medidas populistas, do tipo da meia-entrada, só fazem prejudicar quem realmente paga pra assistir e beneficia os espertos de sempre (que, na imensa maioria das vezes, teria condições financeiras de arcar com a entrada no valor total...). Isto é Brasil.

    ResponderExcluir
  5. Em joão pessoa, cidade onde moro, já não se faz preciso o uso da carteirinha para conseguir o direto da meia-entrada. Basta apresentar algum documento que comprove o seu estado como estudante.O boleto de pagamento das escolas particulares por exemplo. Vejo que essa determinação pode ser um eficiente processo contra as pequenas fraudes.Porém fico preocupada se isso pode dificultar o acesso a quem tem realmente direito.

    ResponderExcluir
  6. Acho errôneo confundir condição financeira com a condição de estudante ou não. Não é um incentivo a brasileiros sem condições financeiras e sim a estudantes e estelionatários.
    Não me enquadro em nenhum dos perfis beneficiados, ou seja, com 24 anos de idade não recebo incentivo nenhum. Pelo contrário, me sinto desestimulado por saber que tenho de pagar mais caro para cobrir os descontos oferecidos a outros.

    ResponderExcluir