17 de fev de 2016

Game Nostalgia: Golden Axe (Mega Drive)


Eu já tinha postado aqui faz anos atrás sobre a saga de Golden Axe. Clássico que é clássico nunca morre, pelo menos enquanto mantiver os emuladores e versões PSN e Steam da vida para dar ressurreição aos games clássicos. E Golden Axe é um dos milhares grandes games antigos.

Numa promoção relâmpago de tema "Make War No Love", a Sega disponibilizou alguns clássicos de forma gratuita na plataforma da Steam, entrando o Golden Axe do Mega Drive dentro do pacote. E como se diz: "Game grátis não se pode desperdiçar", resolvi matar saudades de forma gratuita e legal sem usar emulador. Golden Axe, originalmente foi criado para os fliperamas e depois, convertido posteriormente para outros consoles. A versão do Mega Drive não ficou exatamente igual ao da versão do fliperama por questões técnicas limitadas do console na época, mas a diversão era igual ou até maior do que a versão em fliperama, pois nessa versão do Mega Drive, havia uma fase extra logo depois que você derrotava o chefão "Death Adder". Essa fase extra não existe na versão de fliperama.


Do estilo "beat en' up", Golden Axe permitia escolher três personagens: o carinha de espada que lembra o Conan, a mulher do estilo Xena, mas com vestimentas mais provocativas, e um anão velho que lembra o Bobby de "Caverna do Dragão", mas que usa um machado (acabei descrevendo da mesma forma no post anterior, hahaha). Graficamente, Golden Axe era ótimo para a época e o som não deixava a desejar em relação do da versão de fliperama. De dificuldade mediana, o jogo começava a ficar mais difícil nas fases finais com aqueles esqueletos irritantes que tiram duas barras de energia, e a fase extra que o chefão final se chamava "Death Bringer", um "Death Adder" apelão que usa todas as magias dos jogadores de forma infinita. Na primeira jogada, usei a mulher e, depois de anos sem jogar esse clássico, ainda lembrava dos melhores golpes dela para chegar no final. Usei cinco vidas com cinco barras de life cada, com a primeira vida consumida somente na penúltima fase. Já as outras quatro vidas gastei no chefão final apelão porque aqueles dois esqueletos eram chatos demais e nunca morriam. E cada golpe que Death Bringer me dava, em seguida me metia uma magia para tirar mais barra de life... Eta fase porreta.




Mas em geral, foi divertido a "matança de saudade". Pena que o final não seja o mesmo da versão do fliperama, mas mesmo assim, valeu a rápida jogatina, hehe.





2 comentários:

  1. Boas armaduras eles usavam né. Biquini, tanga...
    Joguei tanto com meu bro na época do Megadrive que enjoei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Biquíni tava de boa como armadura hahaha.
      Eu também já enjoei, só joguei agora para matar saudades e como tava de graça na Steam...

      Excluir