10 de jun de 2009

Vergonha Estampada



De uns tempos para cá, notei um aumento imenso de vandalismos e pichações na cidade de Curitiba. E o tipo de pichações lembra bastante o da cidade de São Paulo. E os vândalos sujam as construções em lugares inusitados e perigosos, como no topo de um prédio ou na parte de fora de uma ponte. Incrível como esses delinquentes desafiam suas vidas para deixarem suas ”marcas”.

Antigamente, as pichações eram estampadas sob forma de protestos políticos e xingamentos. É claro, qualquer tipo de vandalismo não tem justificativa alguma, mesmo sendo para protestar, mas notamos agora que picham por prazer ou simplesmente para mostrar a todo mundo sua “obra” em lugares onde ninguém jamais conseguiria alcançar.

O que leva os jovens a cometer tanto vandalismo? Será que não percebem que com esse tipo da atitude, só tende a piorar a imagem da cidade e do próprio país? E os custos para reparar os estragos?

Técnicos e cientistas de várias partes do mundo estão criando um produto semelhante ao teflon utilizado em panelas e frigideiras para inserir em tintas, criando uma espécie de barreira contra pichações. A técnica consiste em remover as tintas dos sprays da mesma forma do teflon das frigideiras. Outra técnica em desenvolvimento seria a de um produto que utiliza a mesma forma das folhas das plantas. Quando cai uma chuva, a própria água da chuva remove a sujeira contida nas folhas das plantas.

Mas, convenhamos, nenhum produto de última geração vai resolver o problema. É como colocar mais policiais num local dominado pela violência e bandidagem. Só vai tapar o buraco, mas não vai solucionar.
Segundo o artista plástico Celso Gitahy, “A pichação é um reflexo da insatisfação com uma sociedade que produz ilusões o tempo todo: a ilusão do bem-estar, do poder e do glamour. Isso não preenche o vazio existencial das pessoas, pelo contrário”. Em resumo, uma sociedade sem educação e respeito, traz todos os problemas cotidianos de uma realidade difícil e sofrível.

5 comentários:

  1. Só o que faltava né? Há poucos dias atrás eu vi na TV uma reportagem sobre pichações, e me espantei ao ver aquele portal da Santa Felicidade toda pichada... Daí pensei, nossa, até lá? Uma pena, pois Curitiba é uma cidade bonita...
    De fato, o problema é social. As pessoas não enxergam e vão continuar fingindo que não é com elas. Sabe, de repente poderiam transformar esses pichadores em artistas, devidamente remunerados, incentivados, motivados, enfeitando a cidade ao invés de estragar. Aliás, motivação é algo que deveria ser mais cultivado.

    ResponderExcluir
  2. Sim, infelizmente o portal de Santa Felicidade já está "batizada"... O problema é que muitos delinquentes fazem parte de uma gangue que querem deixar suas marcas em locais inusitados e em patrimômios públicos. Muita indignação.

    Alguns estabelecimentos contratam alguns pichadores-artistas para enfeitarem seus portões e muros, mas ainda assim pichadores estragam os trabalhos pichando-os por cima.

    ResponderExcluir
  3. Costumava existir uma acordo entre os pichadores de respeitar o grafite feito profissionalmente, mas até isso foi deturpado.

    ResponderExcluir
  4. É lamentável, uma cidade tão bonita e com um povo tão receptivo. Sabe que se um mané destes despencar lá de cima não irá fazer a menor falta viu...

    ResponderExcluir
  5. É triste mesmo. Um país com grande potencial para o turismo e vem esses vândalos estragar nosso patrimômio... o que o turista irá pensar sobre o Brasil? A primeira impressão é a que fica, infelizmente nesse caso.

    ResponderExcluir