30 de abr de 2010

Aniversário do Neo Geo: 20 Anos

Com fontes de Akira Suzuki (uol.com.br) - com adaptações

Quando eu vi a notícia de que aquele grande console (em termos de tamanho) chamado Neo Geo faria 20 anos desde seu surgimento, me bateu uma nostalgia gamemaníaca como naqueles games nostálgicos que volte e meia tenho postado por aqui.

Há 20 anos atrás, os fliperamas foram a vanguarda dos games. Nos idos da década de 80, a tecnologia que cercava os chamados arcades era muito superior a dos videogames domésticos, e o sonho de todo gamemaníaco era ter aquela experiência no conforto do lar.

SNES e Mega Drive bem que tentaram, mas ainda havia um abismo entre as plataformas "profissionais" e domésticas. As máquinas de fliperama são produtos caros, e em 1990, a SNK, fabricante de games de Osaka, teve a ideia de produzir um sistema de arcade de baixo custo, com jogos gravados em cartuchos.

Esse sistema foi chamado de Neo-Geo, e fez sucesso entre casas de fliperamas menores, já que o uso de cartuchos permitia ter uma variedade de games sem precisar instalar mais máquinas. E o melhor: com preços muito mais em conta.

Não existe registro de quando o Neo-Geo foi disponibilizado pela primeira vez, mas os games de estreia da plataforma saíram em 26 de abril de 1990: "NAM-1975", "Mah-Jong Kyôretsuden", "Baseball Stars Professional" e "Magician Lord". Em 1º de julho de 1991, o Neo-Geo AES passou a ser vendido nas lojas, mas seu alto preço não permitiu ser um sucesso.

O console impunha respeito, tanto pelo tamanho quanto pela qualidade dos jogos, que eram rigorosamente idênticos ao fliperama, por usar a mesma tecnologia, porém os cartuchos tinham o tamanho de um livro de 300 páginas. O joystick também era grande, com modelo de fliperamas. Os dados eram gravados num cartão de memória; o Neo-Geo foi um dos primeiros a usar esse sistema.

Apesar dos processadores do Neo-Geo fossem similares aos do Mega Drive, o console da SNK tirava qualidade de seu sofisticado chip gráfico e da grande quantidade de memória disponível nos cartuchos. Sendo um sistema também para fliperamas, lugar onde o Neo-Geo fez mais sucesso, os primeiros games da plataforma era de ação e tiro, além de títulos de esporte (o console teve vários games de futebol).

Mas o que mudou definitivamente o direcionamento de seus games - e fez da SNK uma produtora de enorme sucesso - foi a onda dos jogos de luta, da época de Street Fighter 2. Em 25 de novembro de 1991, a SNK lançou seu primeiro game do gênero, "Fatal Fury", que trazia a mesma fórmula do jogo famoso da Capcom - assim como a maioria dos games de luta.

Foi um começo tímido, e demorou quase um ano para a SNK lançar outro game de luta, "Art of Fighting", que impressionava pelos personagens enormes e o efeito de zoom (um pouco antes, a ADK tinha lançado "World Heroes"). Esse também foi o primeiro game da linha "100 Mega Shock", ou seja, com 100 megabits de dados (para efeito de comparação, "Sonic 2", um dos maiores sucessos para Mega Drive, tinha 8 megabits). Depois vieram "Fatal Fury 2", "Samurai Shodown", "Fatal Fury Special" e "Art of Fighting 2", além de mais dois "World Heroes" pela ADK.

O ano de 1994 foi marcado pela série de maior prestígio da SNK, "The King of Fighters '94", que tinha como novidades um sistema de trio de personagens e um elenco vindo de vários jogos da SNK.

Para se ter ideia de quanto os jogos de luta foram predominantes no Neo-Geo, dos 150 games lançados, 50 podem ser considerados do gênero, ou seja, a cada três games para o console, um era de combate mano-a-mano. A SNK se deu bem enquanto a moda esteve em alta, e foi um rival à altura da Capcom, mas, na metade final da década de 90, o gênero foi marcado pela lenta decadência, e na mesma direção seguia a fabricante do Neo-Geo.

Fim de uma era

O Neo-Geo também enfrentava uma mudança de paradigma no que se referia a gráficos. Com a entrada no mercado de videogames como o PSOne, Saturn e Nintendo 64, os games passaram a exibir cenários em 3D, tecnologia que o videogame da SNK não dispunha.

Ainda que tivesse lançado sucessos como "Metal Slug" e as várias iterações de "The King of Fighters", a situação financeira da SNK ficava cada vez mais difícil, e piorou com aventuras desastradas, como o Neo-Geo CD (Ocho teve um desse), que era mais conhecido pelos seus extensos "loadings", o portátil Neo-Geo Pocket (e depois o Color) e a placa Hyper Neo Geo 64, com gráficos 3D.

A história da SNK acaba em 2001, mas logo "renasce" como Playmore (atual SNK Playmore), e dá continuidade aos projetos do Neo-Geo. Até algum tempo atrás, a SNK Playmore fazia também aqueles games crossover a la X-Men vs Street Fighter, como o "SNK vs Capcom" (detalhe: a Capcom já tinha feito antes o "Capcom vs SNK").

A assistência técnica ao Neo-Geo foi encerrada em 2007, mas, neste ano, por conta das comemorações de 20 anos do console, o serviço foi reaberto, sabe lá até quando. Quanto à SNK Playmore, a empresa continua na luta, porém não está numa fase boa, pois seus games (de luta, principalmente) não conseguem ser mais inovadores. Atualmente, a Playmore trabalha em "The King of Fighters XIII". (já perdi as contas de trocentas versões desse game)

11 comentários:

  1. Caraca! TKoF XIII?! Estão concorrendo com Final Fantasy? Ouvi por aí que a última versão do TKoF ficou mal feita, cheia de bugs.

    Ainda gosto muito dos jogos da SNK, mas meu computador não permite rodar direito (é muito lento mesmo para emuladores). Você baixou os jogos originais para o Mame?

    ResponderExcluir
  2. Se a gente morasse mais perto podia rolar umas disputas, só que eu precisaria treinar um pouco porque nunca fui viciado que nem você nos jogos da SNK.

    Um controle tipo arcade ia aumentar bastante a diversão. Não vejo vendendo por aqui.

    ResponderExcluir
  3. Nooossaaa, não tinha sacado que passou tanto tempo. Eu gostava do Fatal Fury!

    Gostei muito do post!

    ResponderExcluir
  4. Prezado Elton, como sempre seu instinto de pesquisador resgata preciosas pérolas. Abraços! Feliz Primeiro de Maio!

    ResponderExcluir
  5. @Kodi: TKoF XIII... e eu achava que tinha mais versões que treze. FF vs TKoF, quem vai ganhar? Eu tinha baixado anos atrás games do NG para o Mame, mas depois não tenho jogado mais. Sim, uma pena que tu agora tá morando mais longe, senão podíamos ter algumas disputas SNK sim.

    @Moriah: Fatal Fury foi um marco para mim naquela época e o Fatal Fury 2 foi o auge do vício, hehehe.

    @Milton: Algumas relíquias resgatadas sim e tema meio geek gameníaco. Abraços. Bom Golden Week!

    ResponderExcluir
  6. Eu creio que pelas suas reviews sua bagagem maior é em games de luta, certo? Em quais plataformas vc jogou mais? Quais suas séries favoritas?

    ResponderExcluir
  7. Pois é, Adriane. Na época de SF2, a moda eram games de luta, apesar de que gostava tbm de games de plataforma como Sonic, RPGs como FF, etc... Joguei desde o Master System até o PS2, passando pelo Neo Geo CD e Dreamcast. Gosto da série Street Fighter e TKoF, apesar de que este último não tenho me empolgado muito atualmente.

    ResponderExcluir
  8. Vc lembra qual versão do TKoF dava pra jogar com o Geese?

    ResponderExcluir
  9. Se não me engano, a 1a versão de TKoF para jogar com Geese era o 96. Gostava de usar esse personagem, hehe?

    ResponderExcluir
  10. É que eu vi um cara jogando com uma versão do Geese que bloqueava os ataques e contra atacava em seguida. Fora isso ele dava uns "reppukens" que formavam uma espécie de escudo. Eu queria jogar com ele, mas não sei de qual versão era. Acho que o jeito é sair testando.

    ResponderExcluir
  11. O Geese realmente tem um ataque apelão que contra-ataca na defesa (desde a época de Fatal Fury). Era dificil fazer esse comando para mim. Ele me lembra o Akuma de SF2, solta magias no ar. No TKoF, a 1a. aparição dele foi mesmo na versão 96.

    ResponderExcluir