5 de abr de 2011

Lixo como Fonte Energética e Econômica

Texto com ideias do Eng. Arnaldo Reinhold

Muita gente pode não saber, mas os resíduos domésticos, industriais, hospitalares, isto é, o "lixão" em geral podem servir de fonte de combustível para geração de energia. O lixo em geral tem a metade do potencial energético do carvão. E o tópico sobre recuperação de energia a partir desses resíduos é de um interesse totalmente sustentável, viabilizando a questão econômica quanto a ecológica.


Um dos grandes problemas atuais é que a geração de lixo continua superando o crescimento econômico e deve aumentar ainda mais até em 2020. E devido a esse grande aumento é que tem-se preocupado sobre o reaproveitamento da energia derivada de resíduos, juntamente com a reciclagem. Um dos recursos para gerenciar os resíduos é através do tratamento térmico desses resíduos por gaseificação superadiabática em usinas.

O gás de aterro é produzido pela decomposição de resíduos orgânicos em condições anaeróbias no local do aterro, no qual sua composição é de uns 55% de metano, 40% de dióxido de carbono e o restante de nitrogênio, hidrogênio e água. E o metano, direcionando como fonte de energia, pode trazer o benefício adicional de ajudar a reduzir o seu potencial de aumentar o aquecimento global com o efeito estufa.

Entretanto, pouco se tem feito no Brasil, pois ainda não existe usina alguma de reciclagem energética do lixo em operação no país, enquanto que no restante do mundo, há mais de 750 unidades em funcionamento. Essas unidades chamam-se "Waste to Energy" (WTE).

Esse processo de gaseificação para o reprocessamento de resíduos começou em larga escala em 1994, com várias empresas, institutos de pesquisa e universidades de tecnologia da Europa participando no desenvolvimento. O sistema é seguro e é instalado em locais com maior facilidade de coleta domiciliar.


Outro benefício é o quanto de lixo pode gerar energia. Confira abaixo um exemplo de quanto apenas um quilo de lixo pode gerar:

- Secador de cabelos por 24 minutos
- Máquina de lavar por 20 minutos
- Geladeira por 2 horas e 52 minutos
- TV por 5 horas e 45 minutos
- Forno elétrico por 22 minutos
- Ferro elétrico por 43 minutos
- Computador por 5 horas

A Finlândia já é um exemplo de um país em fase de produção com alta precisão e tecnologia testada e comprovada. Assim, o país pode controlar o nível de geração de gases do efeito estufa, reduzindo consideralvente sua emissão de gases à atmosfera. A partir daí trata-se do comércio de Créditos de Carbono, onde o país ganha tais créditos, reduzindo a multa econômica para o país, de acordo com alguns artigos do Protocolo de Kyoto.

Outro países, como Estados Unidos, Canadá, Dinamarca, França, Alemanha, Japão, Noruega e Suécia já fazem negociações de contratos futuros de Crédito de Carbono. O Brasil deve se beneficiar deste cenário como alvo de investimentos para projetos de redução de emissão de gases poluentes. Entretanto, o que se tem feito até agora ainda não está no andamento adequado. Para o Brasil, é necessário criar uma mentalidade de sustentabilidade partindo de iniciativas inovadoras, buscando maior transparência em seus projetos e evitando uma burocratização que perpetua em nosso país. O Brasil tem a faca e o queijo nas mãos. Só falta o ato.

5 comentários:

  1. Eu separo o lixo reciclável. A hora que a coisa se mostrar rentável, vai ter bastante gente disposta a salvar a natureza.

    ResponderExcluir
  2. Eu sabia desse tipo de geração de energia porque eu jogava SimCity. =P
    O que eu não sabia era se esse processo, no "mundo real", era poluente ou não, se era feita por incineração do lixo e tal...
    De qualquer forma acho que soluções visando a sustentabilidade são mais que pra ontem... Às vezes acho até que nosso ecossistema já está comprometido...

    ResponderExcluir
  3. Acho que não apenas ser rentável, mas também ser utilizável e sustentável. Ideias não faltam. O problema é a iniciativa.

    ResponderExcluir
  4. Olá Ocho! Quanto tempo não venho aqui... sorry!
    Realmente todo mundo deveria se conscientizar em reciclar seu próprio lixo. Não custa nada separar os produtos todos os dias, criando assim um hábito. Achei interessante o seu artigo, reciclando e ao mesmo tempo produzir energia. Só falta mesmo iniciativa.
    Bjuss e bom fim de semana!

    ResponderExcluir
  5. alessandra ama o guilherme!!

    ResponderExcluir