26 de mar de 2017

Filme: Inferno


Para quem não conhece o filme, é uma adaptação do livro de mesmo nome cujo escritor é Dan Brown, o mesmo de "O Código Da Vinci", que aliás, esse filme já é a terceira adaptação para os cinemas. Os dois anteriores são o "O Código Da Vinci" e "Anjos e Demônios", e os três foram estrelados por Tom Hanks.

Para variar, deixo a estória de lado (você pode ver em qualquer site/blog/colunista de cinemas) e parto para minha breve opinião do filme: Cuidado! Contém spoilers!!



Para quem leu o livro, o filme deve ter deixado o espectador no mínimo "confuso" (para não dizer indignado). Claro que em adaptação para cinema, seu conteúdo fica bastante reduzido e é impossível transcrever por completo. Porém, a mudança ocorre não apenas na alteração de personagens durante a trama e sim, em partes da estória e, principalmente, no final. A maioria desses espectadores deve ter ficado sem entender do porquê da alteração do final no filme em relação ao livro. Será que Dan Brown realmente permitiu e gostou que fizessem essa alteração imensa no desfecho da estória? Será que houve pressão dos produtores a fazer essa alteração ao gosto típico hollywoodiano? De qualquer forma, não sei se é ético alterar muito principalmente o final de uma obra original, mesmo com a autorização do autor do livro... Há quem defenda alterações para justamente ter em mente duas obras diferentes em mídia diferente e ter aquela sensação de inesperada situação, o que muita gente curte.


Agora, para quem não leu o livro, o que foi meu caso, não houve esse fator surpresa e sim, mais um filme do estilo hollywoodiano, que pareceu bastante com o filme "O Código Da Vinci", tanto na trama como na ambientação, o que para mim, tirou a inovação do jogo. Mesmo que "Inferno" tenha uma estória independente dos outros dois filmes adaptados de Dan Brown, algumas peças no filme ficou meio nebulosas para mim, o que também não me agradou. Aquele esquema de procurar e desvendar pistas enquanto foge das autoridades já ficou uma fórmula manjada e no filme se repete isso. Muitas cenas de perseguição e ação continuam firmes e isso dá o gás para o filme ficar mais ativo. Agora, a atuação de Tom Hanks ficou aquém do esperado e deu para notar a fisionomia cansada dele no filme, afinal, ele já está mais velhinho, rsrs e em filme de ação e perseguição, acho que já deu o que tinha dar para ele. Já a Felicity Jones, que fez a companheira de Tom, a atuação foi boa. Algumas partes do filme parecia apenas tentativa de desvendar pistas de maneira desesperadora pois a polícia inteira está atrás deles e ficou muito forçado a situação. Claro, há fatores reveladores que não poderia imaginar se fosse enxergar a sequência natural do raciocínio no desenrolar da estória, o que isso é bom. Mas em geral, achei que o filme se perdeu na essência principalmente nas partes finais, tirando a essência do mistério e análise peculiar nas obras do autor do livro.


Bom, recomendo para quem não leu o livro, agora para quem leu o livro, acho difícil recomendar, a não ser que a pessoa goste do fator "alteração" de obras originais, mesmo com autorização do próprio autor.



2 comentários:

  1. Ah, este eu não li porque tinha spoiler e eu ainda vou assistir.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Apenas um conselho: Não leia o livro e fique somente com o filme, caso assista-o.

      Excluir