19 de abr de 2017

Game Nostalgia: Vigilante (MAME)


Essa versão do game Vigilante, não cheguei a jogar nos fliperamas da época, talvez porque o seu irmão mais velho Kung Fu Master reinava nos estabelecimentos que frequentava e eu não achava esse game. Entretanto, conheci a versão do Master System e tive um certo entretenimento para aquela época.

A primeira coisa que você sente nesse jogo é: como é difícil jogar isso sem morrer várias vezes!! Ao contrário da versão do Master, que eu não cheguei a morrer, na versão do arcade, morri dezenas de vezes e cheguei até usar um continue logo na primeira fase. Os capangas tiram muita energia de você, mesmo os carinhas que te agarram... e você vai ser agarrado muitas vezes quando ficar encurralado. Os sub-chefes das fases aparecem com bastante frequência e cada golpe deles tira quase um terço da sua barra de energia. Por isso, ser "ninja" nos controles é fundamental. Pelo menos quando você morre, ressurge no mesmo lugar, ao contrário de Kung Fu Master, que você reinicia no começo das fases em muitos casos. Aqui, o nunchaku não faz muita diferença, pois não tira tanta energia dos bandidos como na versão do Master System, e você acaba perdendo-o facilmente ao levar alguns poucos golpes. Os chefes aqui são pedreiras e perdi várias vidas enfrentando-os. A barra de life dos chefes recuperam aos poucos se você não golpeá-los rapidamente, mas a sua barra não. Pô, injusto isso. Contudo, o pior de tudo nos chefes é que mesmo você piscando logo após perder uma vida, seus golpes não surtem efeito neles até parar de piscar, e em várias ocasiões, seus golpes parecem que atingem eles, mas não atingem, parecendo dando golpes no ar simplesmente, especialmente quando você enfrenta o chefão final. E que chefão apelão; além do life dele recuperar lentamente, o cara sempre te agarra e dá um "esmurrão" em você. E claro, os golpes dos chefes sempre vão te acertar se não esquivar precisamente e em muitas vezes, só quatro golpes deles acaba com sua vida, enquanto que você precisa acertar dezenas de vezes e rapidamente para não deixar recuperar muito os lifes deles.


Graficamente falando, Vigilante é bonito e fluente, na média para a época. Já o som não achei grande coisa, mas não chega a atrapalhar, com exceção do "come on" dos chefes toda hora e da risada do último chefão. A jogabilidade é boa com respostas relativamente satisfatórias, e muito melhor que a da versão do Master. A voadora aqui você aperta para cima e em seguida o botão do chute ou soco, mas de vez em quando falhava. Mas nem se compara com a tentativa de voadora do Master (não consegui fazer uma vez sequer). É claro, é muito injusto comparar arcade dos anos 80 com videogame de 8 bits; ainda a diferença de qualidade era gritante na época. Porém, caso se fosse para escolher qual versão jogar, certamente, a versão original do fliperama é a recomendada, a não ser para os saudosistas "seguistas" da época.

PS: Engraçado que no fliperama, a moça chama-se Madonna e no Master, Maria. Seria por causa de direitos autorais do nome da Madonna? Afinal, a cantora estava começando seu auge no final dos anos 80... ¯\_(ツ)_/¯





Nenhum comentário:

Postar um comentário